No Hospital e Maternidade Santa Joana, referência em saúde da mulher, contamos com um serviço multiprofissional especializado para cuidar da endometriose. Oferecemos exames diagnósticos, tratamento para aliviar os sintomas e cirurgias minimamente invasivas pensando sempre no bem estar da mulher.

Às vezes, pela correria do dia a dia ou mesmo pela falta de informação, acabamos deixando um pouco de lado a nossa saúde, não é mesmo? Por exemplo, muitas mulheres convivem com dores fortes no período pré-menstrual e ignoram o fato, pensando que é algo natural da vida feminina. Outras não sentem dores e, por isso, acabam se esquecendo de realizar consultas médicas periódicas. Essas decisões podem fazer com que você deixe de tratar de uma série de doenças – entre elas a endometriose.

A endometriose é a condição na qual o endométrio (a mucosa que reveste a parede interna do útero) cresce em outras regiões do corpo – como intestino, bexiga ou diafragma. Ela afeta uma em cada dez brasileiras em idade fértil (dos 15 aos 49 anos de idade), segundo dados do Ministério da Saúde de 2019. As dores são a reclamação mais comum, mas a endometriose também pode não apresentar sintomas.

Por isso, em geral as mulheres demoram de oito a dez anos para ter um diagnóstico de endometriose. Esse atraso não é exclusivo do Brasil. Acontece também em países da Europa e nos Estados Unidos. Para suprir essa lacuna, contamos com um Centro de Endometriose especializado em diagnóstico e tratamento.

1 a cada
10
brasileiras
em idade fértil tem endometriose
– Ministério da Saúde –

O Centro de Endometriose do Santa Joana é coordenado pelo Dr. Ricardo Mendes Alves Pereira, cirurgião ginecológico, com especialização pela Universidade de Barcelona. Além de larga experiência em endometriose, Dr. Pereira é um especialista em cirurgia ginecológica minimamente invasiva (laparoscopia e cirurgia vaginal) e neuropelviologia (estudo das alterações que envolve os nervos da pelve).

Seu trabalho é complementado por uma equipe centralizada, altamente especializada, que atua de forma integrada para acolher, diagnosticar, mapear e acompanhar as pacientes durante todo o processo de tratamento da endometriose.

Para maior comodidade e rapidez, os exames de ultrassom são realizados no próprio Centro, localizado no bairro do Ibirapuera, na zona Sul de São Paulo, onde também ocorrem as consultas e o acompanhamento clínico.

Quando você é atendida no Centro de Endometriose, passa a contar também com toda a experiência da equipe do Santa Joana para o tratamento da saúde da mulher. Sempre que necessário, outros serviços do nosso hospital estarão à disposição para ajudar no seu tratamento e recuperação.

Nos casos em que há necessidade de exames adicionais, como ressonância magnética, temos à disposição um completo Centro de Diagnósticos. Quando é preciso realizar uma cirurgia, o procedimento é feito em nosso hospital, que dispõe das mais modernas e avançadas tecnologias para a realização de procedimentos, dos mais simples aos mais complexos.

Quais as Causas da Endometriose?

Apesar de haver registros de sintomas da endometriose de quase 2 mil anos antes de Cristo, até hoje suas causas ainda não estão muito bem definidas. Mas, com os avanços da medicina, podemos detectar diversas situações que são consideradas suspeitas para o desenvolvimento de endometriose, como:

Menstruação retrógrada​

Problema em que o sangue menstrual, em vez de sair do útero pela vagina, segue em direção às tubas uterinas (trompas de Falópio) e cavidade pélvica, espalhando-se sem ter por onde sair durante a menstruação.

Crescimento de células embrionárias no abdômen e cavidades pélvicas​

As células que revestem essas partes do corpo da mulher são originárias de células embrionárias comuns, mas, no processo de diferenciação tecidual, sob determinados estímulos ainda desconhecidos, algumas células podem se converter em tecido endometrial, iniciando a endometriose.

Cirurgias de retirada do útero (histerectomia) ou de parto cesariana​

As células do endométrio podem se prender às incisões cirúrgicas e dar origem a um quadro de endometriose.

Outros fatores também considerados de risco para endometriose são:

  • Ter mãe ou irmã com endometriose (risco aumenta de 7 a 10 vezes).
  • Início precoce da menstruação (antes dos 8 anos de idade).
  • Não ter filhos.
  • Menstruações que duram muito tempo (sete dias ou mais).
  • Problemas como hímen perfurado, que bloqueia a passagem do sangue da menstruação.

Os sintomas e o desenvolvimento da doença, no entanto, não são os mesmos para todas as mulheres. Uma endometriose não é igual a outra. Existem lesões que permanecem pequenas durante toda a vida reprodutiva, porém a maioria das lesões são progressivas, cresce contínua e lentamente nos anos reprodutivos. Assim como existem lesões em múltiplos locais e de tamanho variável.

Geralmente a intensidade dos sintomas é proporcional ao grau da doença. Porém, podem existir casos em que essa proporção não acontece.

Os sintomas, em geral, iniciam-se na adolescência, mas boa parte das pacientes demora para buscar ajuda. Aquelas que vão buscar tratamento mais cedo são, muitas vezes, filhas de mulheres que tiveram endometriose.

Curiosidades sobre a endometriose

Na Idade Média, muitas mulheres que sofriam com as dores hoje relacionadas à endometriose eram internadas em sanatórios, acorrentadas ou isoladas devido à ignorância em relação à doença. Mulheres sendo carregadas com a mão no colo e uma expressão de dor no rosto eram frequentes nas pinturas da época. Embora se trate de um problema muito antigo, o nome é recente. O termo endometriose só surgiu em 1920.

É possível prevenir a Endometriose?

Infelizmente, não existem ações específicas para a prevenção da endometriose. Exercício físico e boa alimentação fazem bem para a saúde, claro, mas não melhoram a endometriose. O contrário também é verdadeiro. Vida sedentária e maus hábitos alimentares não pioram suas condições.

O que pode trazer impacto na evolução de uma endometriose é a idade da primeira gravidez e o número de gestações da mulher. Ou seja, mulheres que não têm filhos apresentam um risco maior de desenvolver a doença.

O fato de engravidar e, depois, amamentar pode contribuir para o bloqueio hormonal e consequentemente frear o desenvolvimento da endometriose. Antigamente, as mulheres em geral engravidavam cedo e tinham vários filhos. Passavam muito tempo grávidas e amamentando. Por isso, muitas delas não manifestavam sintomas.

Chamada de “doença da mulher moderna”, a endometriose é, hoje, um problema de saúde pública que requer atendimento altamente especializado. Mas, com o acompanhamento e o tratamento adequado, é possível muitas vezes eliminar os sintomas ou reduzi-los, levando uma vida normal ou mesmo curar a doença. Por isso, é importante realizar sempre os exames de rotina com o seu médico e buscar apoio especializado, quando houver alguma suspeita.

Como tratar a Endometriose?

Se você tiver endometriose diagnosticada, o mais importante é entender que há diversas opções de tratamento. Nosso Centro de Endometriose está preparado para receber todos os tipos de pacientes e cuidar para que tenham bem-estar e qualidade de vida. Desde o primeiro momento, criaremos uma abordagem personalizada para seu caso, conforme suas necessidades específicas.

No geral, a estratégia de cuidados depende do local da endometriose, do grau e dos sintomas que ela causa. Há mulheres que só precisam de acompanhamento. Outras conseguem controlar os sintomas com medicamentos que, apesar de não tratarem a doença em si, aliviam as dores e os desconfortos. Outra situação que necessita de tratamento é quando ela interfere na fertilidade. Aproximadamente 50% das mulheres com endometriose poderão manifestar uma história temporária (subfertilidade) ou persistente de infertilidade.

Se você tiver endometriose diagnosticada, o mais importante é entender que há diversas opções de tratamento. Nosso Centro de Endometriose está preparado para receber todos os tipos de pacientes e cuidar para que tenham bem-estar e qualidade de vida. Desde o primeiro momento, criaremos uma abordagem personalizada para seu caso, conforme suas necessidades específicas.

No geral, a estratégia de cuidados depende do local da endometriose, do grau e dos sintomas que ela causa. Há mulheres que só precisam de acompanhamento. Outras conseguem controlar os sintomas com medicamentos que, apesar de não tratarem a doença em si, aliviam as dores e os desconfortos. Outra situação que necessita de tratamento é quando ela interfere na fertilidade. Aproximadamente 50% das mulheres com endometriose poderão manifestar uma história temporária (subfertilidade) ou persistente de infertilidade.

Agende uma Consulta no Centro de Endometriose

Centro de Endometriose do Santa Joana

Avenida República do Líbano, 708
Tel: (11) 3051-8042
Horário de funcionamento
De 2ª a 6ª, das 7 às 17h, exceto feriados